Bom ano letivo de 2020/2021
Slogan premiado.
Dia da amizade
Bandeira eco escolas EB do Parque
Clube de Programação e Robótica - Projeto AstroPi
TGPSI - SandSpace
Euroscola
Oficina de Artes
Oficina de Artes
AESL 2019

Avaliação: / 2 
FracoBom http://80.172.240.149/agoranos/templates/ja_purity_ii/images/grad1.gif) 50% 0% repeat-x rgb(51, 51, 51);">

Reflexão à volta da palestra ‘Bioética em ambiente hospitalar’, por Anabela Pinho (12º A)
Hoje, dia 14/03/2012, a comunidade escolar recebeu – a exercer no Hospital S. João (Porto), na área da oncologia pediátrica – o enfermeiro, Nuno Soares, convidado a esmiuçar um tema cada vez mais presente nas nossas vidas: a Bioética. A proposta do sr. Enfermeiro integrava: uma pequena introdução à Bioética, seguido de vários casos clínicos distintos, escolhidos pelo enfermeiro mas passíveis de verosimilhança, interligando/demonstrando as funções e os “porquês” da Bioética. Mas, então, o que é a Bioética?

O enfermeiro Nuno definiu Bioética como sendo: “o estudo transdisciplinar entre Biologia, Medicina, Filosofia (Ética) e Direito (Biodireito) que investiga as condições necessárias para uma administração responsável da vida humana, animal e responsabilidade ambiental. Considera, portanto, questões onde não existe consenso moral como a fertilização in vitro, o aborto, a clonagem, a eutanásia, os transgénicos e as pesquisas com células estaminais, bem como a responsabilidade moral de cientistas em suas pesquisas e suas aplicações.”
Em suma, a Bioética centra-se na questão: “O que será melhor e/ou pior para os seres vivos?” e, confronta-se, portanto, com dilemas, implicando tomada de decisões resultantes de vastas reflexões. A Bioética consolidou-se, segundo o enfermeiro, “após a tragédia do holocausto da Segunda Guerra Mundial, quando o mundo ocidental, chocado com as práticas abusivas de médicos nazistas em nome da ciência, cria um código para limitar os estudos relacionados. Formula-se aí, também, a ideia que a ciência não é mais importante que o homem. O progresso técnico deve ser controlado para acompanhar a consciência da humanidade sobre os efeitos que eles podem ter no mundo e na sociedade para que as novas descobertas e suas aplicações não fiquem sujeitas a todo tipo de interesse.”
Para o enfermeiro existem seis – derradeiros – direitos humanos, fundamentais nos processos envolventes/integradores da Bioética: dignidade, liberdade, igualdade, solidariedade, cidadania e justiça. Importa informar que todos têm de estar em sintonia pois, nos processos da Bioética, nenhum apresenta maior relevância sobre o outro, sendo, portanto, necessário haver reflexão para cada um deles.
Na Bioética estão integrados inúmeros princípios, sendo o mais importante, criado pelo “pai da Medicina”: Hipócrates (Cós, 460 – Tessália, 377 a.C.) que passo a enunciar: “(…) Usarei o tratamento para o bem dos enfermes, segundo minha capacidade e juízo, mas nunca para fazer o mal e a injustiça (…)”. Este é o princípio base da Bioética.
Outros demais como Joaquim Clotet, Genival Veloso de França e John Stuart Mill contribuíram, também, para a formulação de princípios extremamente importantes onde assenta a Bioética sendo, por isso, destacados os seguintes: Beneficência, não maleficência, autonomia e equidade/igualdade. O enfermeiro Nuno Soares explicou, ainda, algumas inferências/ limites na qualidade da autonomia onde explicou a importância da relação médico/paciente pois, este último, tem direito aos serviços médicos e cabe ao médico explicar-lhe/informar-lhe, lutando, sempre, pelo bem-estar do paciente. 
O enfermeiro apresentou, então, o primeiro caso. O caso centrava-se à volta de um jovem de 16 anos que possuía uma anemia e precisava, urgentemente, de uma transfusão sanguínea mas, a família era Jeová e, portanto, os pais não permitiam a realização da mesma.
O enfermeiro sugeriu a participação do público e as opiniões foram unânimes: deveria ser evitada a morte efectuando – com ou sem o consentimento dos pais – a transfusão sanguínea.
O enfermeiro disse, ainda, que em casos destes a decisão final é discutida em tribunal sendo que, a comunidade hospitalar rege sempre para o bem-estar dos pacientes.
Seguiu-se para o segundo caso: uma criança de 10 meses (sexo feminino) é levada pela mãe ao hospital e os médicos deparam-se com várias fracturas antigas na criança o que os leva a concluir que a criança sofreu maus tratos, não só da vez que foi levada ao hospital, mas também, em – prováveis – situações anteriores. A mãe revela – se bastante surpresa quando é confrontada pelos médicos. No entanto, esta explica que a criança estava sozinha em casa com o seu companheiro que não é pai da criança e, que este fica bastante violento quando ingere álcool. 
Desta vez, as opiniões do público ficaram divididas. Alguns sugeriram que a mãe “encobria” o companheiro e sabia da verdade. No entanto, outros defenderam que a verdade era alheia à mãe e que foi o companheiro que agrediu a criança, portanto, a mãe devia separar-se do companheiro. 
O enfermeiro concluiu, referindo que este é um caso frequente mas, evidentemente, muito delicado, exigindo muita reflexão até porque, em situações idênticas, as crianças já não são entregues aos pais ficando, posteriormente, em orfanatos e outros.
O terceiro caso era sobre uma mulher de 38 anos, casada há 2, que engravidou sem planeamento prévio e, então, a gestação não é aceite pelas duas partes envolvidas na gravidez. Quando a mãe é sujeita a uma amniocentese fica a saber que a criança possui Síndroma de Down. Tanto a mulher como o seu marido concordam em que esta deve abortar.
A confusão instala-se no anfiteatro!  Enquanto que, uns concordam que se deve fazer o aborto na tentativa de a criança não vir, posteriormente, a sofrer com a antiga decisão dos pais, outros defendem que é um ser vivo que se está a gerar no ventre da mãe e, que, por isso, tem direito à vida como qualquer outra pessoa, independentemente de ter trissomia 21. 
O enfermeiro explicou o seu ponto de vista, respeitando a opinião do público. 
O último e quarto caso falava acerca de um paciente masculino de 74 anos que tinha um carcinoma brônquico avançado não restando, qualquer hipótese, de voltar a ter uma vida como a que tinha antes. Este sugeriu, por iniciativa própria, a eutanásia. O seu filho não concorda com a decisão do pai, ao contrário da sua mãe e esposa do doente que concorda com a aplicação da eutanásia ao seu marido.  Alguns elementos do público acham que ele tomou esta decisão para pôr fim ao sofrimento pelo qual estava a passar ao contrário de outros elementos que achavam, tal como no aborto, que não é justo colocar um ponto final na sua vida, desta maneira.
Por fim, o enfermeiro acabava por referir que estes casos são muito frequentes nos dias de hoje e que requerem a interacção de muitos factores. A nossa opinião face a estes dilemas é influenciada por componentes socioculturais, predominantemente, diferindo, portanto, de pessoa para pessoa. No entanto, é importante respeitar a opinião do outro na tentativa de chegar a um consenso onde predomine o bem-estar comum.  Achei, deveras útil, esta introdução a um tema tão presente nas nossas vidas: a Bioética. Fiquei bastante mais receptiva a estes assuntos tão delicados. Toda a informação que absorvi, contribui para a minha aprendizagem não só escolar, mas também, a nível pessoal e social. Foi uma boa iniciativa que devia partir da comunidade escolar para a comunidade mais ampla, procurando sempre evoluir no sentido de procurar respostas - nem que sejam parciais - para estes e muitos outros dilemas.

 


Blogue da Biblioteca Escolar

  • Plataforma LER

    Sep 16, 2020

    Plataforma LER O Plano Nacional de Leitura (PNL2027) e a Fundação Belmiro de Azevedo – EDULOG – lançam publicamente a Plataforma LER – Leitura e Escrita: Recursos, numa sessão online, no dia 22 de setembro, às 15:00h.O programa e outras informações poderão ser consultados no portal no[…]

    Read more...
  • Fotografias da Matilde Bessa para o concurso

    Jul 24, 2020

    Fotografias da Matilde Bessa para o concurso A Matilde Bessa do 6.ºB também participa no concurso Fotografa Livros da Biblioteca. As fotos estão espetaculares! Boa, Matilde! Continua a olhar para os livros com esta imaginação! E se a imaginação é tão boa é porque também és uma[…]

    Read more...
  • Receit@r: O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers

    Jul 18, 2020

    Receit@r: O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers O Dinis Costa, o Pedro Bento e o Francisco Ferreira, do 5.º ano, os nossos médicos de leitura especialistas no problema “Não Saber as Coisas” sugerem a leitura do livro O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers.Segundo os nossos[…]

    Read more...
  • Serviço Nacional de Terapia da Leitura sempre em ação

    Jul 17, 2020

    Serviço Nacional de Terapia da Leitura sempre em ação O SNTL continua a trabalhar e a receit@r a leitura todos os dias para poder curar as maleitas que nos atingem. Desta vez, os alunos Diva, João e Soraia, do 5.ºA, preocupados com o problema da falta de solidariedade e[…]

    Read more...
  • Marcar a Leitura com o 12B

    Jul 16, 2020

    Marcar a Leitura com o 12B Os livros são sempre bons companheiros e a leitura é sempre um momento de evasão prodigioso numa altura em que o desconfinamento ainda é um cenário a ter sob vigilância. Os alunos do 12.ºB criaram marcadores para, com muito estilo,[…]

    Read more...

Memórias da Serafim

  • Os finalistas de 1972/73

    Sep 23, 2020

    Os finalistas de 1972/73

    Read more...
  • Os livros de finalistas

    Sep 22, 2020

    Os livros de finalistas Estas publicações anuais eram excelentes registos para memória futura das realizações culturais levadas a cabo e, ao mesmo tempo, indeléveis assentamentos dos nomes e faces das gerações que passavam pela escola. No exemplar que agora se digitaliza, cuja oferta muito[…]

    Read more...
  • Os deveres do aluno

    Sep 14, 2020

    Os deveres do aluno No tempo do Estado Novo os deveres do alunos eram bem divulgados. Da ficha dos alunos constava a lista que se mostra. Atuais, ou não, eis um registo numa caderneta de um aluno que se extraiu do excente facebook dos[…]

    Read more...
  • As Fichas

    Sep 14, 2020

    As Fichas De uma escola se espera recolha de dados permanente. Em outras eras as coisas eram mais românticas, mais palpáveis. Hoje as fichas foram substituídas por tabelas exel, mais completas mas também mais assépticas. Aqui ficam dois exemplos, devidamente ocultados, porque[…]

    Read more...
  • A Rita

    Jun 29, 2020

    Querida Serafim Leite,Acabou…Acabou o tempo de caminhar todos os dias pelo teu chão, o tempo de sentir a tua alegria por entre as paredes. Acabou o tempo de receber, dentro de ti, os melhores abraços e os mais sábios conselhos.[…]

    Read more...

Por aqui...

Temos 10 visitantes e 0 membros em linha