Sofia Paiva, 10º B

Lisboa Quinhentista

A peça Farsa de Inês Pereira, aclamada por muitos como obra-prima do seu autor, Gil Vicente, presente no programa de Português do 10.º ano, serviu de “pretexto” à realização de uma visita de estudo a Lisboa, que teve lugar no passado dia 29 de março de 2019, com a participação de todas as turmas deste ano de escolaridade, da Escola Secundária Dr. Serafim Leite. Tal incluiu não só a visualização da representação da obra anteriormente referida, mas também uma viagem de veleiro pelo rio Tejo, com o objetivo de retornar a uma Lisboa Quinhentista, graças a uma perspetiva menos “assente em terra” da zona Ribeirinha.


Esta visita permitiu a consolidação dos conhecimentos adquiridos nas aulas assim como o domínio dos conteúdos programáticos relacionados com a época renascentista e promoveu, ainda, um contacto direto com o mundo do teatro. Da comitiva serafina faziam parte as sete turmas de 10.º ano, perfazendo um total de cerca de cento e trinta alunos assim como nove professoras que nos acompanharam durante uma viagem de, aproximadamente, catorze horas.

Manhã

A viagem teve o seu início às 6h45 com uma primeira paragem por volta das 9h30, numa estação de serviço, a caminho da capital. Chegados ao nosso destino, deparámo-nos com um Tejo banhado de sol e, não muito tempo depois, embarcámos no “Príncipe Perfeito”. Embora a viagem pelo rio tenha sofrido um pequeno atraso inicial, valeu, definitivamente, a espera! Para além da oportunidade de observar a Torre de Belém, ex-libris manuelino, e que, tal como o Mosteiro dos Jerónimos, foi classificada como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, o Padrão dos Descobrimentos, o MAAT, a Praça do Comércio e a Ponte 25 de Abril, de uma perspetiva menos convencional, esta viagem de barco possibilitou, igualmente, a criação de um convívio entre amigos num contexto extraescolar.

Tarde

Concluída esta parte da nossa jornada, por volta da uma da tarde e após uma breve pausa para um merecido gelado, dirigimo-nos para o local onde iríamos assistir à representação da comédia de costumes de Gil Vicente, Farsa de Inês Pereira, pela companhia teatral “O Sonho”, que mereceu, realmente, os nossos aplausos, graças à sua comicidade e capacidade de interação com o público. Foi, na verdade, enriquecedor perceber como os atores se apoderaram não só de todo o palco e cenário, mas também do espaço livre da plateia.
Terminada a peça, deslocámo-nos, de novo, até aos nossos autocarros, visto que tínhamos, ainda, uma viagem de quase quatro horas pela frente até casa. Todo este tempo foi, por isso, “desperdiçado” entre conversas, jogos e risos com antigos e novos amigos.
Chegámos, por fim, à Serafim, por volta das 21h, cansados mas felizes.

Observações

Considero que a realização da visita foi, realmente, benéfica em termos culturais e sociais, mesmo com pequenos imprevistos.
A parte da visita que mais me agradou foi a viagem de veleiro por ser algo que nem todos teríamos oportunidade de experimentar, se não fosse a partir de uma visita como esta e também porque me possibilitou uma nova perspetiva da capital portuguesa e tudo o que esta alberga.
Tendo plena noção da dificuldade da organização do horário, acho que foi uma pena não termos tido muita margem de manobra quanto a tempos livres devido a atrasos e incidentes impossíveis de prever, o que tornou a visita um pouco apressada. E, por isso, sugeria que, numa próxima vez, a visita não fosse apenas de um dia, já que as viagens de autocarro de ida e volta, entre S. João da Madeira e Lisboa, abarcam logo cerca de 8h no total, o que é muito em comparação com o tempo passado no solo da capital.

Não obstante, gostei imenso da visita em geral!

Para ver todas as fotos, clica em:

10º Ano - Fotos da visita de estudo a Lisboa

 

10ºB - Trabalhos dos alunos

 

AN 10ºB veleiro5

 

AN 10ºB1 veleiro5