O orador convidado da iniciativa “Palcos e Cenas - 2016”, que se realizou na passada sexta-feira, 26 de fevereiro, nos Paços da Cultura, foi o antropólogo e historiador Cebaldo de Léon Inawinapi. Esta foi uma iniciativa do projeto “Espaço Aberto” do Agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite, em parceria com o Município de S. João da Madeira e com o Rotary Club de S. João da Madeira. Esta sessão serviu de ato introdutório ao X Festival de Teatro, a realizar entre 8 e 30 de abril.

As “Notícias de um povo governado por poetas” converteram-se numa conversa amena, por vezes com evocações poéticas, pautada pelas imagens que surgiam na tela, sempre baseadas na história e na vida do povo Kuna, que habita arquipélago com o mesmo nome, o território indígena autónomo de Kuna Yala, integrado na República de Panamá, constituído por cerca de quatrocentas ilhas e ilhotas. Cebaldo Inawinapi nasceu numa delas, a Ilha de Usdup e é, por isso, um profundo conhecedor do tema.

A especificidade deste povo revela-se em numerosas situações que nós, europeus, podemos considerar estranhas. Este foi um dos exemplos dados no decurso da noite: “Como nós moramos em ilhas, (agora podia passar duas ou três horas a contar histórias), as crianças quando acordam, vão brincar. Uma criança quando estava cansada, quando tinha fome, entrava em qualquer casa, e lá comia, dormia... Havia sempre alguém para lhe contar uma história; as pessoas kunas fazem isso, porque a mãe e o pai sabem que os seus filhos são bem acolhidos, pois os pais foram ensinados assim, a sua infância também foi essa: poder comer e poder dormir em qualquer casa. Tudo estava aberto, tudo se partilhava.” Mas a conversa passou também pelo papel da mulher, e pelas suas tradições, pela forma de organização social e política, pela economia de subsistência que ali se pratica (pesca, recolha de cacau e alguma caça) e pela chegada do turismo, com todos os desafios que ele coloca aos Kuna.

No final, foram colocadas algumas questões, pelos presentes, o que tornou a conversa ainda mais esclarecedora e familiar.

A sessão terminou com a oferta de algumas lembranças por parte da entidade promotora e dos parceiros e com a afetividade que envolvera a assistência, que deu por bem empregue o desafio de enfrentar o frio e a chuva que se faziam sentir na noite de tempestade. Talvez para apreciar ainda melhor o calor humano e meteorológico sugeridos pelas imagens desse “povo governado por poetas”.

Gabinete de Comunicação do Agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite

Palcos an1

 

Palcos an2

 

 


Blogue da Biblioteca Escolar

Memórias da Serafim

  • Os passeios da escola.

    Oct 4, 2020

    Os passeios da escola. Desde o início a escola praticou os passeios. Mais ou menos educativos, mais ou menos lúdicos, a escola sempre saiu dos seus muros. Aqui ficam três registos. Na foto em destaque em passeio a Montalegre, 29 de junho de 2003,[…]

    Read more...
  • Os finalistas de 1972/73

    Sep 23, 2020

    Os finalistas de 1972/73

    Read more...
  • Os livros de finalistas

    Sep 22, 2020

    Os livros de finalistas Estas publicações anuais eram excelentes registos para memória futura das realizações culturais levadas a cabo e, ao mesmo tempo, indeléveis assentamentos dos nomes e faces das gerações que passavam pela escola. No exemplar que agora se digitaliza, cuja oferta muito[…]

    Read more...
  • Os deveres do aluno

    Sep 14, 2020

    Os deveres do aluno No tempo do Estado Novo os deveres do alunos eram bem divulgados. Da ficha dos alunos constava a lista que se mostra. Atuais, ou não, eis um registo numa caderneta de um aluno que se extraiu do excente facebook dos[…]

    Read more...
  • As Fichas

    Sep 14, 2020

    As Fichas De uma escola se espera recolha de dados permanente. Em outras eras as coisas eram mais românticas, mais palpáveis. Hoje as fichas foram substituídas por tabelas exel, mais completas mas também mais assépticas. Aqui ficam dois exemplos, devidamente ocultados, porque[…]

    Read more...

Por aqui...

Temos 26 visitantes e 0 membros em linha