“Imagina… o mundo depois da pandemia”. - Opinião
Por Maria Brito (10ºB)


O covid-19, ou coronavírus como gostamos mais de lhe chamar, não veio facilitar a nossa vida. Bem pelo contrário, veio mudá-la por completo. A partir do momento em que a OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou o estado de pandemia mundial, as nossas rotinas diárias alteraram-se drasticamente.

 


Da noite para o dia, vimos escolas e empregos a fecharem durante tempo indeterminado, atirando tantos seres humanos para situações precárias e sem controlo. Embora a parte económica seja muito importante para toda a sociedade, optemos antes por enveredar por uma visão que, de certo modo, é mais visível e esclarecedora, mesmo estando encarcerados nas nossas casas. Assim que fomos confrontados com o confinamento, chegámos a acreditar que não seria muito mau, visto que, afinal, nos encontrávamos no conforto do nosso lar e com as pessoas que amamos. Aproveitámos, nos primeiros tempos do estado de quarentena, para voltar os nossos olhos para diferentes formas de arte e para investir em vários passatempos. Assim, o tempo foi ocupado com a leitura e a música, o visionamento de filmes e de séries televisivas, a culinária, o desporto e até a meditação. E, após algum tempo, tudo isto nos começou a soar a pouco e a falta do toque humano iniciou a sua procissão.
No momento em que todos nós começámos a sentir falta de treinar ao ar livre e de estar em reunião com os nossos amigos, o nosso olhar voltou-se para assuntos que não valorizávamos anteriormente. A nossa mente, como se tivesse expulsado todas as ideias e informações retrógradas e fúteis, mergulhou num novo estado de absorção, do qual fugiríamos se não fosse o novo quotidiano. O ser humano, como um todo mais poderoso, observou as injustiças em seu redor.
Foi a partir dessa simples ação que o mundo acordou e usou, finalmente, a sua voz contra o que considerava incorreto e imoral. Embora este tenha sido, de facto, um grande e importante passo em direção ao caminho certo, também é possível condenar a sua demora. Foi necessário que a humanidade fosse confinada, individualmente, para que os assuntos realmente importantes se tornassem novamente na música das redes sociais e dos telejornais. Foi necessário que o ser humano se sentisse tão sozinho para se conseguir lembrar das outras realidades existentes e dos que se sentem sozinhos no mundo, a batalhar constantemente até à morte para que a sua voz chegue a ser apenas um suspiro na revolução. Na verdade, todos deveríamos usar a nossa voz, comparável a um megafone para amplificar os suspiros. Mas, durante muito tempo, os fios foram cortados e os nossos megafones não foram recarregados, a nossa voz, ignorou o seu propósito.
Portanto, a verdadeira saudação de soldado revolucionário não se aplica a todos aqueles que “ignoravam” quotidianamente estas situações. As balas, disparadas em direção ao céu, homenageiam verdadeiramente todos aqueles que diariamente vivem soterrados na injustiça, na pobreza e na miséria. Homenageiam todos os que tentam fazer-se ouvir, batalhando pela justiça social.
De todos estes novos aliados, quantos irão permanecer quando o mundo voltar ao normal? Mesmo que este “normal” não seja semelhante ao que outrora conhecíamos, será que continuarão a olhar para as dificuldades e para as minorias com os mesmos olhos? Ou, pelo contrário, irão retomar às suas visões e pensamentos anteriores, ignorando estes problemas?
Estes tempos deixam-nos estas questões. A ribalta inesperada da severidade destas situações veio despertar ondas revolucionárias capazes de engolir ministérios e marcos históricos inteiros. A ignorância e a indiferença foram retiradas da mesa, mas será que se preparam para o seu retorno?
Considerando todos os nossos precedentes, seremos capazes de desenhar o nosso futuro? Não. Não o podemos fazer com precisão, mas podemos desenhar várias alternativas.
Na minha opinião, tendo em consideração o nosso comportamento após a conquista de diferentes marcos históricos, o retorno aos velhos hábitos é quase inevitável. Não o encaro como um veredito final, mas possível. Com efeito, quando um povo específico luta pela liberdade e a alcança, continua a mesma luta por diferentes povos, ou seja, essa necessidade não fica saciada? Até hoje, apesar da tão falada “intersolidariedade” nos momentos difíceis, o ser humano tem se mostrado extremamente egoísta e, simultaneamente, dependente. Ele espera não ter de travar lutas pelos outros, mas que cada um trave as suas. Contrariamente a esta visão, não devemos deixar este lado prevalecer, pois as injustiças devem ser eliminadas e a solidariedade deve vingar em todas as horas, com ou sem confinamento.
Se somos livres no pensamento, podemos também ser livres nos gritos e não apenas nos sussurros. Devemos tomar na nossa mão a mudança em vez de olhá-la de soslaio e a uma distância segura. Deixo-vos então esta questão: será que o Cosmos enviou esta doença mortífera para obrigar a humanidade a parar e a pensar realmente nas questões essenciais?

Maria Brito (10ºB)


Texto de resposta a um desafio colocado pela Amnistia Internacional subordinado ao tema “Imagina… o mundo depois da pandemia”.

 

o depois


Blogue da Biblioteca Escolar

  • Plataforma LER

    Sep 16, 2020

    Plataforma LER O Plano Nacional de Leitura (PNL2027) e a Fundação Belmiro de Azevedo – EDULOG – lançam publicamente a Plataforma LER – Leitura e Escrita: Recursos, numa sessão online, no dia 22 de setembro, às 15:00h.O programa e outras informações poderão ser consultados no portal no[…]

    Read more...
  • Fotografias da Matilde Bessa para o concurso

    Jul 24, 2020

    Fotografias da Matilde Bessa para o concurso A Matilde Bessa do 6.ºB também participa no concurso Fotografa Livros da Biblioteca. As fotos estão espetaculares! Boa, Matilde! Continua a olhar para os livros com esta imaginação! E se a imaginação é tão boa é porque também és uma[…]

    Read more...
  • Receit@r: O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers

    Jul 18, 2020

    Receit@r: O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers O Dinis Costa, o Pedro Bento e o Francisco Ferreira, do 5.º ano, os nossos médicos de leitura especialistas no problema “Não Saber as Coisas” sugerem a leitura do livro O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers.Segundo os nossos[…]

    Read more...
  • Serviço Nacional de Terapia da Leitura sempre em ação

    Jul 17, 2020

    Serviço Nacional de Terapia da Leitura sempre em ação O SNTL continua a trabalhar e a receit@r a leitura todos os dias para poder curar as maleitas que nos atingem. Desta vez, os alunos Diva, João e Soraia, do 5.ºA, preocupados com o problema da falta de solidariedade e[…]

    Read more...
  • Marcar a Leitura com o 12B

    Jul 16, 2020

    Marcar a Leitura com o 12B Os livros são sempre bons companheiros e a leitura é sempre um momento de evasão prodigioso numa altura em que o desconfinamento ainda é um cenário a ter sob vigilância. Os alunos do 12.ºB criaram marcadores para, com muito estilo,[…]

    Read more...

Memórias da Serafim

  • Os deveres do aluno

    Sep 14, 2020

    Os deveres do aluno No tempo do Estado Novo os deveres do alunos eram bem divulgados. Da ficha dos alunos constava a lista que se mostra. Atuais, ou não, eis um registo numa caderneta de um aluno que se extraiu do excente facebook dos[…]

    Read more...
  • As Fichas

    Sep 14, 2020

    As Fichas De uma escola se espera recolha de dados permanente. Em outras eras as coisas eram mais românticas, mais palpáveis. Hoje as fichas foram substituídas por tabelas exel, mais completas mas também mais assépticas. Aqui ficam dois exemplos, devidamente ocultados, porque[…]

    Read more...
  • A Rita

    Jun 29, 2020

    Querida Serafim Leite,Acabou…Acabou o tempo de caminhar todos os dias pelo teu chão, o tempo de sentir a tua alegria por entre as paredes. Acabou o tempo de receber, dentro de ti, os melhores abraços e os mais sábios conselhos.[…]

    Read more...
  • Ainda as oficinas

    Jun 26, 2020

    Ainda as oficinas Foto da planta das novas oficinas e vista aérea de todo o espaço escolar.

    Read more...
  • O carnaval da Serafim Leite

    Jun 26, 2020

    O carnaval da Serafim Leite Desde o início a nossa escola tem participado no desfile do carnaval das escolas de S. João da Madeira. Seguem-se algumas imagens de 2003 para aperitivo do levantamento que está a ser feito. E veja-se como o Agora Nós, na[…]

    Read more...

Por aqui...

Temos 28 visitantes e 0 membros em linha