No seu livro Escape To Freedom (1941) Fromm ómicos precedentes, mas o homem da sociedade industrial capitalista pagaria com isolamento a desenvolve uma teoria que assenta numa das teses centrais de Simmel: a sociedade industrial moderna libertou o individuo dos laços e restrições que o entravavam nos sistemas econsua liberdade.

 

 

Para fruir esta liberdade, o homem desenvolveu diferentes mecanismos de defesa e fuga: a submissão à autoridade de um chefe carismático é disso um exemplo. Representa o desejo de submissão a um chefe poderoso que representa uma imagem paternal. Fromm dá um exemplo do mecanismo de fuga, que reside na submissão a uma forma de conformismo coercitivo, tal como vemos na sociedade americana de massas. O conformismo revela-se nos objectos e necessidades procuradas, e nas modalidades de satisfação dessas necessidades. A satisfação conformista das necessidades encontra-se facilitada pela produção massiva de bens de consumo produzidos industrialmente. Segundo Fromm, o conformismo constitui um sentimento superficial e pertença e partilha de segurança.

Numa obra posterior, The Sane Society (1955), aborda um problema semelhante, mas a sua perspectiva modifica-se. A Segunda-Guerra Mundial pôs em evidência os poderes incrivelmente destruidores que o homem pôde conceber e dos quais pode fazer uso. Os seres humanos são doentes, ou vivemos numa sociedade doente? Fromm tenta responder a esta questão, e é à volta desta análise que a temática da alienação vai ter lugar.

De um ponto de vista sociológico, esta questão é à primeira vez confusa. Como é que é possível determinar o estado de saúde de uma sociedade? Mas teorias sociológicas fala-se, por vezes, dedesorganização, desintegração, disfuncionamento relativamente a certos critérios funcionais predeterminados. Mas para além dessa, existe uma tese sociológica, largamente divulgada, segundo a qual os problemas sociais provêm da incapacidade individual de se adaptar socialmente. Uma tal adaptação implica a aceitação de normas e valores sociais, um comportamento conforme a essas normas e a adaptação às instituições sociais que são criadas em função das normas do sistema. Ora, Fromm rejeita este ponto de vista. Considera que existem necessidades fundamentais comuns a todos os homens. São fundamentais porque são a expressão das condições reais que determinam a ‘existência humana’. O homem evoluiu a partir da animalidade; estado caracterizado pelo equilíbrio e a harmonia com a natureza, o desenvolvimento humano criou uma situação onde o homem está ‘consciente dele próprio’ e onde a sociedade adquire cada vez mais importância. Em contrapartida, essa situação origina sentimentos de insegurança e suscita a necessidade de atingir uma nova situação de equilíbrio. É esta concepção da ‘condição humana’ que constitui a base das diversas necessidades fundamentais de onde postulamos a existência. Um meio que não permita a satisfação dessas necessidades impedem o homem de viver uma vida que permite a saúde mental. Uma vez que é a organização social e a estrutura da sociedade que são responsáveis pelos obstáculos que a sociedade reencontra na satisfação das necessidades, é na sociedade que é preciso procurar a transformação, sobretudo nas condições económicas fundamentais, isto é, nas modalidades de produção e de distribuição. O que está em causa é que “não podemos definir a saúde mental em termos de adaptação do individuo à sociedade, antes pelo contrario, ela deve ser definida em termos de adaptação da sociedade às necessidades do homem, em função da sua aptidão para favorecer ou limitar o desenvolvimento da saúde mental”. Segundo Fromm, o desenvolvimento significa, também que novas características apareçam na espécie humana, características que se traduzam por novas necessidades fundamentais para todo o indivíduo numa dada etapa do desenvolvimento humano. Uma sociedade que não permita a satisfação dessas necessidades origina o aparecimento de indivíduos manifestadores de certas perturbações mentais. Uma tal sociedade é uma sociedade doente.

A teoria de Fromm está fortemente centrada no indivíduo. Nela encontram-se correntes de pensamento que relevam, quer da psicanálise, quer do marxismo. Fromm propõe-se integrar essas duas formas de pensamento. Todavia, a teoria de Fromm não implica um conflito insolúvel entre as necessidades individuais e as exigências da sociedade como é o caso de Freud, por exemplo. Fromm postula a existência de necessidades humanas que numa organização social ideal deveria constituir a base sobre a qual se estrutura a sociedade. Trata-se de uma teoria do carácter social que constitui o ponto de partida do sistema de Fromm. Opondo-se ao carácter individual que compreende todas as características e as aptidões próprias a um dado individuo, o carácter social é constituído por tudo aquilo que é comum aos membros de uma categoria social dada, por exemplo, uma classe, uma nação, uma cultura. Fromm sublinha que não se impõe o fazer a soma de todas as aptidões que se encontram na maioria dos membros de uma categoria social, pois ‘a estrutura’ contem uma espécie de organização dinâmica das aptidões e dos traços característicos. O conceito de ‘carácter social’ pode ser interpretado como sublinhando a semelhança entre este conceito e o que se designa por ‘expectativas interiorizadas de papel’, isto é, aprendidos e aceites e que decidem do comportamento individual em que se interrogue sobre as razões de um tal comportamento. Max Weber chama-o de ‘espírito do Capitalismo’ pelo facto de o trabalho ser entendido como uma necessidade e como um dever, de onde a evidência surge de si. Na medida em que tal concepção é partilhada pela classe trabalhadora das sociedades industriais podemos considerar que ela é parte integrante do ‘carácter social da classe trabalhadora’. O próprio Fromm escreve que o Capitalismo só pode funcionar como homens que amem o trabalho, que sejam disciplinados e pontuais, onde o principal centro de interesse é o ganhar dinheiro; no século XIX, o Capitalismo tinha necessidade de homens que gostassem de economizar; em meados do século XX são precisos homens cuja paixão seja a de gastar e consumir.

O carácter social é formado no curso do processo educativo e é mantido e reforçado pelas “influências ideológicas” que se exercem no seio dos mass media, na literatura, na religião, etc.. A educação, isto é, os métodos da educação não são arbitrários. Eles dependem da estrutura da sociedade e onde os pais e a família têm um papel social importante enquanto intermediários.


Blogue da Biblioteca Escolar

  • Plataforma LER

    Sep 16, 2020

    Plataforma LER O Plano Nacional de Leitura (PNL2027) e a Fundação Belmiro de Azevedo – EDULOG – lançam publicamente a Plataforma LER – Leitura e Escrita: Recursos, numa sessão online, no dia 22 de setembro, às 15:00h.O programa e outras informações poderão ser consultados no portal no[…]

    Read more...
  • Fotografias da Matilde Bessa para o concurso

    Jul 24, 2020

    Fotografias da Matilde Bessa para o concurso A Matilde Bessa do 6.ºB também participa no concurso Fotografa Livros da Biblioteca. As fotos estão espetaculares! Boa, Matilde! Continua a olhar para os livros com esta imaginação! E se a imaginação é tão boa é porque também és uma[…]

    Read more...
  • Receit@r: O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers

    Jul 18, 2020

    Receit@r: O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers O Dinis Costa, o Pedro Bento e o Francisco Ferreira, do 5.º ano, os nossos médicos de leitura especialistas no problema “Não Saber as Coisas” sugerem a leitura do livro O Coração e a Garrafa de Oliver Jeffers.Segundo os nossos[…]

    Read more...
  • Serviço Nacional de Terapia da Leitura sempre em ação

    Jul 17, 2020

    Serviço Nacional de Terapia da Leitura sempre em ação O SNTL continua a trabalhar e a receit@r a leitura todos os dias para poder curar as maleitas que nos atingem. Desta vez, os alunos Diva, João e Soraia, do 5.ºA, preocupados com o problema da falta de solidariedade e[…]

    Read more...
  • Marcar a Leitura com o 12B

    Jul 16, 2020

    Marcar a Leitura com o 12B Os livros são sempre bons companheiros e a leitura é sempre um momento de evasão prodigioso numa altura em que o desconfinamento ainda é um cenário a ter sob vigilância. Os alunos do 12.ºB criaram marcadores para, com muito estilo,[…]

    Read more...

Memórias da Serafim

  • Os finalistas de 1972/73

    Sep 23, 2020

    Os finalistas de 1972/73

    Read more...
  • Os livros de finalistas

    Sep 22, 2020

    Os livros de finalistas Estas publicações anuais eram excelentes registos para memória futura das realizações culturais levadas a cabo e, ao mesmo tempo, indeléveis assentamentos dos nomes e faces das gerações que passavam pela escola. No exemplar que agora se digitaliza, cuja oferta muito[…]

    Read more...
  • Os deveres do aluno

    Sep 14, 2020

    Os deveres do aluno No tempo do Estado Novo os deveres do alunos eram bem divulgados. Da ficha dos alunos constava a lista que se mostra. Atuais, ou não, eis um registo numa caderneta de um aluno que se extraiu do excente facebook dos[…]

    Read more...
  • As Fichas

    Sep 14, 2020

    As Fichas De uma escola se espera recolha de dados permanente. Em outras eras as coisas eram mais românticas, mais palpáveis. Hoje as fichas foram substituídas por tabelas exel, mais completas mas também mais assépticas. Aqui ficam dois exemplos, devidamente ocultados, porque[…]

    Read more...
  • A Rita

    Jun 29, 2020

    Querida Serafim Leite,Acabou…Acabou o tempo de caminhar todos os dias pelo teu chão, o tempo de sentir a tua alegria por entre as paredes. Acabou o tempo de receber, dentro de ti, os melhores abraços e os mais sábios conselhos.[…]

    Read more...

Por aqui...

Temos 31 visitantes e 0 membros em linha