Nos tempos atuais, almejamos recuperar a nossa liberdade, a tal que foi conquistada, em abril de 1974, pelos nossos antepassados… Contudo, embora limitados, por motivos inóspitos à nossa vontade, não deixaremos de comemorar este momento que faz parte da nossa História…
 
 
Por isso, convidamos toda a comunidade educativa da Serafim Leite e todos quantos nos possam visitar, virtualmente, a apreciar os trabalhos realizados pelos nossos alunos, no âmbito do concurso anual, promovido pelo nosso município, um verdadeiro grito, em uníssono, à LIBERDADE – de cada um de nós!
Os vencedores e as menções honrosas, alcançadas pelos nossos artistas, num total de 6, do 3.º ciclo e do Ensino Secundário, serão, oportunamente, divulgados e expostos no Facebook da Câmara Municipal de S. João da Madeira.
Vivam o espírito do 25 de abril, mais do que nunca… e continuem bem!  
 
Dina Sarabando
 
 
 Para ver os trabalhos dos nossos alunos, clíque nas ligações seguintes
 
 
 (Já estão publicados todos os cartazes, mesmo os que foram apresentados em pdf)
 
 
 
ODE À LIBERDADE
 
                                                                                                                                           Por: Samuel Rodrigues Silva, 12.º B
 
 Oh! Liberdade!
É a ti que eu! Amo tanto!...
O sabor que tu tens é de uma abundância tal,
Que fico horas e horas a deliciar-me...
Horas e horas e horas e mais horas ainda
A desfrutar do teu aroma...
Um perfume a cravos vermelhos...
Com um resquício de pólvora…
Mas que mal tem?
Só quero poder desfrutar do teu prazer,
De mergulhar no teu estado épico
Como um verdadeiro deus do Olimpo.

Poder ouvir-te, tocar-te, cheirar-te, abraçar-te, amar-te…
Ai! Ai! Ai! UIUI!
Uhlala! Uhlala!

Quero desfrutar de cada parte tua,
De cada palavra, cada texto, cada opinião, cada debate…
Amo-te! E quero amar-te como só tu sabes ser amada.

A tua existência é o sol do meu dia.
Quero usufruir de cada parte de ti,
Das tuas curvas, das tuas metáforas, do teu perfume,
Das tuas crónicas, dos teus poemas, dos teus mitos…
De tudo aquilo que tens e que és, mas…
Queria ter-te, para sempre, na minha vida…
E que tudo isto fosse mentira
OH! Ai… Ai… Ai…

Tu!
Oh! Liberdade!
Por que é que, em tempos, me deixaste nas ruas da amargura?
Por que é que te decidiste aliar àquele maldito azul?
Porquê? Porquê? Porquê?
Por que é que decidiste apaixonar tantos homens?
Por que é que os tiveste de levar a todos?
Porquê? Ufffff !
Pooooorrrrrrrqqqqquuuêêêêêêê???
Por que deixaste tantas famílias sem pai?
Por que obrigaste tantos a partir à procura de exílio?
Já viste o que fizeste devido a um MALDITO lápis azul?
Por amares um e teres tantos outros que acorrentavas…

Já reparaste que esses que acorrentaste
Ou os que obrigaste a fugir só faziam uso de ti.
É verdade que, talvez, não da forma mas correta,
Mas tinham esse direito por aqueles que te usam corretamente,
a ansiada liberdade de expressão sem nada ser censurado,
Sem nada ter de ser riscado.
Tu davas cor aos jornais,
Quando eles só queriam ser a preto e branco.
Quando o azul atormentava a leitura,
Quando tu, com as irmãs portuguesas,
Decidiram emigrar para lado nenhum

ZUM!! PASH! PUM
“CALOU!”
“mas”…
“MAS NADA! VEM COMIGO E MAIS NADA!”
“Pai…”

Ai! Ai!…
Ai! Liberdade…
Ai! Liberdade…
Aiiiiiiiiiiiiiiiii LI-BER-DA-DE!!!

Porquê tudo isto?
Por que foste? Ou melhor,
Por que é que nos privaste de ti?
Por que é que decidiste fazer isto?
Por que é que demoraste tanto a voltar?
Por que é que um cidadão não podia falar?
Se era só um utensílio para cozinhar?
Por que é que Peniche tem um forte?

Ó Daniel Cabrita!
Ó António Coelho!
Ó José Soares!
Ó Marcelino!
Ó 13 de Peniche!
O que é que vocês sofreram?
Era má a vida nessas grades…
À beira desse mar sem fim,
E, se o mar já antes tinha sido navegado,
Vocês aventuraram-se de novo…
Quebraram a brita
E quase conseguiram…
Mas…
Zás! Pash! Pum pum pum!
TRRRRRRRRRR
Tiveram de voltar…

Ai…Ai…Ai…
Liberdade! Liberdade!
Pediam os comunistas,
Mas…
só depois de passares por…
GRÂNDOLA, charmosa VILA, que abunda em rosa
E tem uma MORENA…
É que decidiste meter essas rosas
No cano de várias espingardas harmoniosas.
E nós, cheios de lealdade,
Sem nunca disparar,
Só com a mente a cantar, a gritar e a pular
E sem nunca disparar.
Finalmente, podemos exaltar
Por ti…
Oh! Liberdade! …
ALELUIA!

 

 

logo 25a


Blogue da Biblioteca Escolar

Memórias da Serafim

  • Os passeios da escola.

    Oct 4, 2020

    Os passeios da escola. Desde o início a escola praticou os passeios. Mais ou menos educativos, mais ou menos lúdicos, a escola sempre saiu dos seus muros. Aqui ficam três registos. Na foto em destaque em passeio a Montalegre, 29 de junho de 2003,[…]

    Read more...
  • Os finalistas de 1972/73

    Sep 23, 2020

    Os finalistas de 1972/73

    Read more...
  • Os livros de finalistas

    Sep 22, 2020

    Os livros de finalistas Estas publicações anuais eram excelentes registos para memória futura das realizações culturais levadas a cabo e, ao mesmo tempo, indeléveis assentamentos dos nomes e faces das gerações que passavam pela escola. No exemplar que agora se digitaliza, cuja oferta muito[…]

    Read more...
  • Os deveres do aluno

    Sep 14, 2020

    Os deveres do aluno No tempo do Estado Novo os deveres do alunos eram bem divulgados. Da ficha dos alunos constava a lista que se mostra. Atuais, ou não, eis um registo numa caderneta de um aluno que se extraiu do excente facebook dos[…]

    Read more...
  • As Fichas

    Sep 14, 2020

    As Fichas De uma escola se espera recolha de dados permanente. Em outras eras as coisas eram mais românticas, mais palpáveis. Hoje as fichas foram substituídas por tabelas exel, mais completas mas também mais assépticas. Aqui ficam dois exemplos, devidamente ocultados, porque[…]

    Read more...

Por aqui...

Temos 26 visitantes e 0 membros em linha