Não, não tem jeito: Tanto não tem que, em cada aluno, ficou a vontade de revisitarem os seus projetos.
Do confinamento letivo, sobretudo nas disciplinas oficinais e laboratoriais, fica o testemunho das limitações de uma Escola à Distância: A não ser em circunstâncias excecionais como a que estamos a atravessar ou para aquelas que a modalidade de “Ensino à Distância” já prevê, nada substitui a presença física dos professores e dos alunos.


As novas ferramentas didáticas e de comunicação — telemáticas — são um complemento metodológico precioso e poderoso, mas nunca a Escola Pública poderá reduzir-se à condição precária de um complemento.
As circunstâncias excecionais torceram a Escola Pública e, face a essas circunstâncias, as escolas (alunos e professores) deram a melhor resposta possível. Que essa resposta não sirva de mote para uma revolução tecnológica redutora, mas sempre bem vinda como complementar e potenciadora da presença.

Justamente por essas limitações, os alunos do 12.º ano do Curso Científico Humanístico de Artes Visuais merecem este reconhecimento compensador para a sua quase frustração, combinada com uma enorme satisfação.
Na verdade, no âmbito da disciplina de Oficina de Artes, desenvolveram projetos individuais durante o 2.º período para os concretizarem durante o 3.º período, mas, surpreendidos pelo confinamento, tiveram de adequar os seus projetos de fotografia, animação, cerâmica, pintura, graffiti, escultura, arquitetura… Tiveram de ajustar os seus projetos aos materiais e aos espaços que tinham em casa, conseguindo preservar os respetivos temas e domínios de expressão — conseguiram preservar a substância.

Para além da concretização dos projetos, o 3.º período obrigava-os a expô-los, na escola ou em associação com alguma iniciativa proposta por outra instituição ou entidade.
A exposição física não foi possível, obviamente.
Não obstante, os alunos concretizaram os seus projetos e fizeram as suas exposições, convertidas em publicação numa página eletrónica pessoal, páginas essas para as quais fica o convite de as visitarmos:

Ana Rita

Anzehlika

Beatriz

Lígia

Mariana

Pedro

Sara

Tatiana

Sem dúvida, este é um registo digno para a memória controversa de uma Escola que, em tempos idos, esteve confinada.

Paulo Duarte

OArtes conjunto

 

 


Blogue da Biblioteca Escolar

Memórias da Serafim

  • Os passeios da escola.

    Oct 4, 2020

    Os passeios da escola. Desde o início a escola praticou os passeios. Mais ou menos educativos, mais ou menos lúdicos, a escola sempre saiu dos seus muros. Aqui ficam três registos. Na foto em destaque em passeio a Montalegre, 29 de junho de 2003,[…]

    Read more...
  • Os finalistas de 1972/73

    Sep 23, 2020

    Os finalistas de 1972/73

    Read more...
  • Os livros de finalistas

    Sep 22, 2020

    Os livros de finalistas Estas publicações anuais eram excelentes registos para memória futura das realizações culturais levadas a cabo e, ao mesmo tempo, indeléveis assentamentos dos nomes e faces das gerações que passavam pela escola. No exemplar que agora se digitaliza, cuja oferta muito[…]

    Read more...
  • Os deveres do aluno

    Sep 14, 2020

    Os deveres do aluno No tempo do Estado Novo os deveres do alunos eram bem divulgados. Da ficha dos alunos constava a lista que se mostra. Atuais, ou não, eis um registo numa caderneta de um aluno que se extraiu do excente facebook dos[…]

    Read more...
  • As Fichas

    Sep 14, 2020

    As Fichas De uma escola se espera recolha de dados permanente. Em outras eras as coisas eram mais românticas, mais palpáveis. Hoje as fichas foram substituídas por tabelas exel, mais completas mas também mais assépticas. Aqui ficam dois exemplos, devidamente ocultados, porque[…]

    Read more...

Por aqui...

Temos 54 visitantes e 0 membros em linha